quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Parônimos


O problema do absolvido é que momentos antes, ele fora absorvido e arreado por uma sociedade que nunca arria o comprimento de suas ações. Nunca o cumprimentarão sinceramente. Deferir essa “beatitude” é diferir o tráfico do tráfego, por mais que desapercebido você faça isso despercebido. A mudança de atitude delatará que com o coração dilatado seremos discentes e docentes e emigraremos da condição imergida para imigrarmos emergentemente num campo fragrante. Isso é flagrante! Creio nessa iminência em sermos eminentes, só assim retificaremos e ratificaremos a verdadeira descrição dos que seguiram discretamente construindo seus alicerces. Afinal, enquanto escutarmos a ária dos que proscreveram, transitaremos na mesma área e não ascenderemos. Acender a chama da razão é preciso, e precisamos já! Então, apresse o apreço pelos demais.

Imagem: http://conhecimentopratico.uol.com.br/linguaportuguesa/gramatica-ortografia/23/artigo178930-1.asp

4 comentários:

Ricardo Valente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Valente disse...

esse linguajar parece que confunde, mas é explícito demaissssss.
abraço de cá!

Luiz Carlos disse...

Salve, Salve!

Há quanto tempo não passo por aqui... Mas valeu a pena revisitar para me deparar com um texto desses.

É preciso entender de Língua Portuguesa para intender um blog assim.

O movimento não pode parar!

Grande abraço,

Eduardo Martins disse...

Grande abraço Luiz Carlos!
Mande notícias!